terça-feira, 16 de maio de 2017

Instantes das Estantes #6

As minhas leituras dos últimos tempos:


"Turn Around Bright Eyes" Rob Sheffield: Se em "Love Is A Mixtape" o autor falou da história de amor que viveu com sua primeira esposa, tragicamente falecida, neste livro, Rob Sheffield conta como o seu gosto pelo karaoke ajudou-o a sair do marasmo em que vivia após a depressão da viuvez e como nesse processo, conheceu a sua segunda esposa. Ao mesmo tempo, ele aproveita para falar sobre a sua família, alguns episódios da sua carreira como jornalista da "Rolling Stone" e de alguns dos seus cantores e bandas preferidos. Outra vez uma excelente leitura, embora ainda prefira "Love Is A Mixtape". 


"Luana, A Ninfomaníaca" Armando Ribeiro Teixeira (Chiado Editora): regressando de novo à parceria deste blogue com a Chiado Editora. Passado nos anos 70, o livro conta a história de Luana Martinez, uma jovem bela e fogosa cuja insaciabilidade sexual a conduz por várias situações dramáticas. É com bastante pena que tenho de dizer que foi uma leitura algo penosa. A par dos vários erros de estrutura e sintaxe (mas isso não posso criticar porque o meu próprio livro tem alguns), o principal problema é que a história em si é pouco sólida, com muitas contradições e que se perde por caminhos sem relevância. A abordagem da ninfomania pareceu-me superficial e contraditória e até as passagens mais eróticas não foram muito bem conseguidas.  


"A Seleção" Kiera Cass (Marcador): Finalmente li este livro, passado já bastante tempo depois do hype.  A história do primeiro volume desta trilogia romântico-distópica já é bastante conhecida. Num futuro distante, o que antes era a América do Norte é uma nação chamada Illéa, sustentada por um sistema de castas sociais. America Singer, oriunda de uma das castas menos privilegiadas, vê-se inesperadamente escolhida para participar na selecção da futura esposa do príncipe de Illéa, feita através de uma espécie de reality show com mais de trinta outras raparigas. A princípio, America não está nada interessada em ser a nova princesa, até porque está apaixonada por um rapaz da sua terra, de uma casta inferior à sua. Mas aos poucos, a sua amizade com o príncipe Maxon vai dando lugar a algo mais. E para complicar ainda mais as coisas, o palácio está a ser alvo de ataques de rebeldes. 
Posso dizer que a escrita da autora, não sendo extraordinária, é bastante viciante e li quase três quartos do livro de uma assentada pela noite fora. Gostei muito mas já peguei spoilers sobre os livros seguintes e acho que não vou lê-los porque não em agrada muito o rumo da história.



"O Fim das Estações" Will North (Editorial Presença): Já há muito que eu queria ler algo deste autor e finalmente tive a oportunidade. Tudo começa quando Colin Ryan, um veterinário numa ilha balnear do estado americano de Washington, encontra certa manhã o corpo inconsciente de Martha Petersen, mais conhecida por Pete, por quem esteve sempre apaixonada, embora ela seja casada com Tyler Strong, o seu melhor amigo. Mas este mistério, que acaba por não ser muito difícil de adivinhar, é apenas o ponto de partida para o autor criar uma malha de intrigas e ligações entre diversas personagens, nomeadamente aquelas pertencentes às principais famílias da ilha e os segredos que acabarão por se desvendar a partir do momento em que Colin encontra Pete. Entendo que existem muitas descrições sobre o passado das várias personagens, até daquelas que acabam por trazer pouco à história, mas até nem me importei com isso pois o ritmo da história não é lento e essas dispersões não distraem.  

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Instantes das Estantes #5

As minhas leituras mais recentes:



"O Programa Segue Dentro De Momentos" Júlio Isidro (Marcador): A autobiografia de uma figura ímpar da rádio e da televisão em Portugal, escrita com a sinceridade e o fino humor que caracterizam Júlio Isidro. Da infância nas Avenidas Novas, passando pelos primeiros passos na RTP ainda adolescente, às atribulações da vida militar até aos grandes sucessos de "Febre de Sábado de Manhã" e "O Passeio do Alegres", muitas histórias de uma vida, que também um reflexo de Portugal dos anos 40 a 80. O livro só peca para mim por não falar mais dos programas de Júlio Isidro que mais me marcaram a infância como o "Clube Amigos Disney" ou "Oito e Oitenta". 


"Solteiros Incorrigíveis" Danielle Steel (Círculo de Leitores): Ao fim de muitos anos, regressei a uma autora que marcou muito as minhas leituras de adolescente e início de maioridade. Charlie, Adam e Gray são três amigos bem-sucedidos que se reúnem todos os Verões para umas férias de iate no Mediterrâneo e que têm algo em comum: fogem de todo o tipo de relações. Um porque tem padrões impossíveis de exigência para a sua eventual esposa, outro porque ainda sofre com um doloroso divórcio e o terceiro porque se envolve sempre com as mulheres erradas. Mas chega um Verão onde aos poucos as coisas vão mudar, graças a três mulheres que lhes vão virar do avesso as suas convicções de solteiros incorrigíveis. Foi um exercício de nostalgia voltar a ler Danielle Steel embora já não goste tanto da sua escrita como antigamente.



"Ninguém Disse Que Isto Ia Ser Fácil" Paulo Farinha (Clube do Autor): Através de pequenas histórias ficcionadas sobre a vida  e as relações de um grupo de amigos, o autor faz várias observações certeiras e divertidas sobre como é amar e criar relações na era das tecnologias e das redes sociais. Estaremos mais exigentes ou as exigências são outras? 


"Finalmente Juntos" Josie Lloyd e Emlyn Rees (Presença): Lembro-me deste livro, editado em Portugal em 2000, nas livrarias nos meus tempos de universitário. Escrito a duas mãos, o livro conta a história de Jack e Amy, dois jovens ingleses com uma caótica vida emocional e cheios de frustrações profissionais, que se apaixonam de forma inesperada. Alternando entre o ponto de vista dele e dela (escritos respectivamente por cada autor), Jack e Amy revelam-nos todas as alegrias, ansiedades e tragédias que esta inesperada paixão às suas vidas.  

  

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

As Minhas Melhores Leituras de 2016

Por ordem aleatória:



"A Hora Mágica" Kristin Hannah: Uma menina com um comportamento selvagem encontrada com severas marcas de tortura e uma pedosiquiatra caída em desgraça vão aos poucos formando um elo forte entre ambas. Uma história que podia cair em terrenos melosos mas que é escrita com mestria. Ver opinião AQUI.


"Todos Os Nomes" José Saramago: Por fim, li um livro do nosso Nobel. A tragicómica jornada do Senhor José em busca da identidade de uma mulher cujo verbete vai certo dia parar-lhe às mãos. Pelo meio fala-se de burocracia, da exploração laboral e aquilo que separa o eu dos outros.



"Viver Depois De Ti" Jojo Moyes: Quando Louisa Clark, uma jovem à deriva, aceita um trabalho a cuida do tetraplégico Will Trainor, não imagina que essa experiência vai mudar completamente a sua vida e sua forma de ser. A escrita cativante de Jojo Moyes guia-nos por todos os momentos divertidos e os momentos tristes e fala-nos de assuntos muito sérios sem nunca cair no pesado. Ver opinião AQUI


"Amor Cruel" Colleen Hoover: Não podendo negar a atracção mútua, Miles e Tate decidem de comum acordo prosseguir uma relação puramente sexual. Apenas uma regra: não perguntar pelo passado, não esperar pelo futuro. Mas claro que não vai ser assim tão simples...Uma história previsível mas que agarra o leitor com a escrita cativante e competente da autora. Ver opinião AQUI.


"O Estranho Ano de Vanessa M." Filipa Fonseca Silva: Presa a uma vida que não desejou e incompreendida nessa sua insatisfação, Vanessa comete um erro pelo qual vai pagar um duro preço mas que também vai ser o primeiro passo para, ao longo desse ano, entre avanços e recuos, tomar pela primeira vez as rédeas da sua própria vida. A autora de "Os 30" leva-nos facilmente da tristeza ao riso nesta história. Ver opinião AQUI


"O Quarto de Jack" Emma Donoghue: Para Jack, o mundo é o pequeno quarto onde sempre viveu os cinco anos da sua vida com a sua mãe e todos os objectos que lá estão. O que Jack não sabe é que esse quarto é também o sítio onde a sua mãe é mantida presa e sexualmente violentada por um terrível captor, o homem a que ele chama de Nick Mafarrico. Temendo pelo futuro de ambos, a mãe elabora um plano para fugirem daquele lugar, mas esta fuga é só o começo de um longo caminho de regresso à liberdade e para Jack, a descoberta de um mundo muito maior do que aquele que conhecia. Ver opinião AQUI


"Estou Nua, E Agora?" Francisco Salgueiro: uma série de acontecimentos trágicos levam uma jovem americana literalmente à volta do mundo através do couchsurfing e à descoberta de si própria. Francisco Salgueiro nunca desilude.


"Love Is A Mixtape" Rob Sheffield: Através das cassetes gravadas em variados momentos da sua vida, o jornalista musical Rob Sheffield conta a história de amor com a sua esposa Renée durante os anos 90, até ao trágico e inesperado falecimento dela em 1997. Uma história de amor para todos os amantes de música. 

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

"Esta Noite, Fala-me De Amor" Elin Hilderbrand




Título: Esta Noite, Fala-me De Amor
Autora: Elin Hilderbrand
Editora: ASA

Deparei-me por acaso com este livro entre um lote de livros em promoção no Continente, achei a sinopse interessante e decidi que seria a minha leitura para este Natal. Ao que parece, todos os livro da autora, Elin Hilderbrand, passam-se na ilha de Nantucket, no estado americano do Massachussetts, um dos mais populares destinos turísticos da costa leste dos Estados Unidos. 

"Esta Noite, Fala-me de Amor" conta a história de Dabney Kimball, uma mulher de quarenta e oito anos, dedicada desde sempre à ilha em que nasceu e cresceu e como tal, é uma das pessoas mais acarinhadas por todos na ilha. Dabney trabalha na Câmara de Comércio, é casada há mais de vinte e anos com John Boxwright Beech (que todos tratam por Box) e tem uma adorável filha que vive em Nova Iorque. Além disso, tem um dom especial: ela consegue ver se um casal é compatível ou não. Se for compatível ela vê um aura cor-de-rosa, se não for, ela vê uma névoa verde. Graças ao seu dom, Dabney já juntou mais de quarenta casais e acertou sempre, mesmo quando não seguiram a sua opinião. Por outro lado, Dabney também tem os seus traumas do passado que a impedem de sair da ilha, a não ser que a sua vida dependa disso.

Ao fim de vários anos tranquilos, a existência de Dabney é abalada quando recebe a notícia do regresso de Clendanin Hughes, aquele que foi o seu grande amor e o pai biológico de Agnes. Há vinte e sete anos, Clen partiu para a Ásia onde tornou-se um reputado jornalista de investigação. Para vencer o desgosto, Dabney cortou todas as relações com ele. Agora o regresso de Clen traz ao de cima muitas emoções que Dabney lutou para enterrar bem fundo e que a lança numa série de situações caricatas, ora divertidas, ora dramáticas, vendo-se arrastada para um destino inevitável.
Como se isso não bastasse, Dabney também tem de lidar com Agnes, que está noiva de um homem bastante rico que não só não é compatível com ela como Dabney pressente sinais subtis de ser alguém demasiado controlador, e a própria Dabney debate-se com um misterioso problema de saúde. 

O livro tem a particularidade de não ter capítulos, apenas três partes principais, sendo a narrativa, ainda que na terceira pessoa, descrita do ponto de vista de cinco personagens: Dabney, Clen, Box, Agnes e Nina Mobley, a colega e melhor amiga de Dabney. Pelo meio, existem depoimentos na primeira pessoa de alguns dos casais que Dabney juntou graças ao seu dom. 

Foi uma leitura ideal para o Natal, (embora se passe no Verão) bastante divertida e descontraído, equilibrando os momentos de humor com aqueles mais dramáticos. Gostei de todas as personagens, mesmo quando elas não se portavam da melhor maneira: era um bocado triste ver Dabney meter-se em alhadas mas ao mesmo tempo dava para perceber perfeitamente porque é que ela agia assim. Também é muita gira a descrição dos vários locais pitorescos de Nantucket. Devorei ao longo do fim de semana do Natal e fiquei com vontade de ler mais da autora.     

   

domingo, 30 de outubro de 2016

"Um Instante de Amor" Milena Agus


Título: Um Instante de Amor
Autora: Milena Agus
Editora: Presença

Tenho um certo gosto pela literatura italiana e diante de um promoção da NOTE que vendia livros da Editorial Presença a cinco euros, optei por este curtinho romance de Milena Agus. 
"Um Instante de Amor" conta a história de uma mulher da Sardenha que devido ao seu desejo de ser amada, é tida como louca pela sua família e pelo meio tacanho e preconceituoso. Por isso, embora seja bonita, não tem nenhum pretendente e vê-se forçada a um casamento de conveniência com um refugiado da Segunda Guerra Mundial acolhido pela sua família. Além disso, ela sofre de terríveis dores causadas pelas pedras dos rins, que a impede de ter filhos. 
Mas uma ida às termas para tratar dessa sua condição mudará a sua vida ao conhecer um veterano de guerra com uma perna amputada com o qual viverá uma breve mas marcante história de amor e paixão como sempre sonhara.
Mas esta história, contada pela neta da protagonista, é a história de uma família entre os anos 40 e 60, e além da avó paterna, existe também o seu avô, que mesmo sem amor entre ambos, viverá relativamente feliz ao lado da mulher com quem casou; o seu pai, que sempre viveu para o seu talento e paixão pela música; a sua mãe, que soube chegar através da música ao coração esquivo do seu futuro marido e encontrou na família deste a alegria familiar que nunca conheceu; Lia, a sua avó materna (uma das poucas personagens do livro que têm nome), mulher a quem um instante de perdição e suas consequências tornou-a uma mulher amarga. E também é a história da Sardenha e também um pouco da de Itália ao longo do século XX.     
Com uma pungente mistura de drama, humor, sensibilidade e erotismo, este livro foi uma pequena grande surpresa que aumentou o meu gosto pelos autores italianos contemporâneos. 

Instantes das Estantes #4

Após uma longa ausência eis as minhas leituras dos últimos tempos:


"Os Milgares Acontecem Devagar" Margarida Rebelo Pinto (Clube do Autor): Henrique e Maria do Mar já passaram dos 40 anos, já conheceram o amor e a desilusão e frequentam a mesma psicóloga sem o saberem. Quando se encontram parecem ter finalmente o amor que procuraram ao longo das suas vidas, mas as coisas cedo se revelam não serem fáceis...
Mais um romance de Margarida Rebelo Pinto no seu estilo habitual, para o melhor e para o menos bom, mas que de vez em quando tenho vontade de revisitar.



"Estou Nua, e Agora?" Francisco Salgueiro (Oficina do Livro): Para Alexandra, deviam ter sido apenas alguns dias de loucura antes de o início de uma vida ordeira e segura a trabalhar num escritório de advogados em Nova Iorque. Mas uma desilusão amorosa no festival Burning Man e uma viagem à Tailândia com um início atribulado levam a jovem americana numa viagem à volta do mundo através do couch surfing e também à descoberta de si própria. Baseado em factos verídicos, já que a Alex é real e foi acolhida pelo próprio Francisco Salgueiro quando ela esteve em Lisboa. Adorei ler os altos e baixos das suas viagens e saber mais sobre os diferentes países que ela visitou, tudo isto sempre no irresistível e inconfundível estilo de escrita de Francisco Salgueiro. 


"Tentação Perfeita" Lisa Kleypas (5 Sentidos - Porto Editora): Livro-epílogo da tetralogia "À Flor da Pele" da qual já li o segundo e o terceiro livro. Neste livro as quatro amigas encalhadas já estão casadas e o protagonista é Rafe Bowman, o irmão mais velho de Lillian e Daisy Bowman. Filho primogénito que se rebelou contra a autoridade do seu pai, Rafe enriqueceu pelos seus próprios meios. Para alcançar os seus objectivos e voltar a entender-se com o seu pai, Rafe aceita casar-se com Lady Natalie, uma bela aristocrata que tem tudo para ser a noiva ideal. Mas tudo se complica quando Rafe fica mais intrigado por Hannah Appleton, prima e dama de companhia de Lady Natalie, e Hannah, apesar de chocado pelos modos grosseiros e libertinos do americano, cedo percebe que não é imune aos charmes de Rafe. Será que esta paixão que tem tudo para ser desastrosa poderá vencer com um pouco da magia da época natalícia?
Muitas saudades destas quatro amigas encalhadas.



"Nunca Seduzas Um Escocês" Maya Banks (Saída de Emergência): Na Escócia do século XVII, os Montgomery e os Armstrong, dois dos mais poderosos clãs escoceses são inimigos jurados. Numa tentativa de manter a paz, o rei da Escócia ordena o casamento de Graeme Montgomery, o jovem líder do seu clã, com Eveline Armstrong, a filha do líder do clã rival, uma decisão que desagrada a ambos os clãs.
Surda desde um terrível acidente e tida como louca, Eveline viveu sempre protegida nas muralhas do castelo e pelo amor da sua família mas aceita cumprir o seu dever. Retirada do conforto do seu lar para ir viver num ambiente hostil onde é desprezada por todos, Eveline tudo fará para ser aceite pelo clã Montgomery e para mostrar a Graeme que ela é a esposa com que ele sempre sonhou. E talvez a sua coragem seja capaz de unir os dois clãs inimigos.
Finalmente um livro de Maya Banks sem BDSM e/ou sexo a cada três páginas. Uma agradável surpresa.



domingo, 28 de agosto de 2016

"Retrato de Família" Jojo Moyes



Título: Retrato de Família
Autora: Jojo Moyes
Editora: Porto Editora

"Viver Depois De Ti" foi uma das minhas melhores leituras do ano e como tal, despertou-me a vontade de ler mais coisas da sua autora Jojo Moyes. Com a recente Feira do Livro do Continente e o desconto de 50% deste livro, acabei por adquirir este "Retrato de Família", que sucede ser o romance de estreia de Jojo Moyes, editado no Reino Unido em 2002, mas que só chegou a Portugal em 2011 quando a autora já tinha outros títulos editados por cá. 

"Retrato de Família" é a história de três mulheres da família Ballentyne: Joy, a avó, Kate, a mãe e Sabine, a filha e como lentamente as relações entre as três, caracterizadas pela tensão, pela frieza e pelo ressentimento, vão-se fortalecendo gradualmente. A narrativa divide-se entre os anos 50 e 60, quando Joy conhece Edward, aquele que será o seu marido, e os primeiros anos do casamento de ambos, e em 1997 onde a acção actual decorre.

Em 1953, no dia em que Isabel II é coroada, a elite britânica de Hong Kong reúne-se para acompanhar o acontecimento via rádio. Para Joy, tal não passa de mais outro aborrecido evento no meio sufocante onde está inserido, caracterizado pelas aparências, pela hipocrisia e pela constante desaprovação da sua mãe Alice. No entanto, esse será o dia em que Joy conhece Edward Ballantyne, um oficial do exército, junto do qual ela descobre a possibilidade de ser ela mesma e de fugir a todas as restrições que a atormentam. Por isso, uns dias ao lado de Edward são suficientes para que Joy queira casar com ele. E assim começa aquela que aparentemente é uma bela história de amor e um casamento sólido e exemplar.

Mais de quarenta anos depois, Joy e Edward vivem num palecete algo decadente na Irlanda. Kate, a filha de ambos, cortou quase todo o contacto com os pais e mudou-se para Londres, onde criou a sua filha Sabine, enquanto foi saltando de uma relação para a outra sem nunca estabilizar. No dealbar de outra crise amorosa, uma vez que pretende trocar o actual companheiro por outro, Kate decide enviar Sabine para passar uns tempos com os avós, para que ela não tenha de assistir a mais cenas tristes. 
A ideia não podia agradar menos a Sabine, já que os avós vivem numa aldeia irlandesa rústica onde não existem as coisas a que uma adolescente citadina está habituada. Além disso, Sabine demora a habituar-se às inúmeras regras da casa impostas pela avó e aos actos bruscos do avô. Mas aos poucos, a jovem habitua-se aos costumes locais e vai fazendo amigos como Thom, o trabalhador do estábulo e que tem uma prótese depois de ter ficado sem uma mão num acidente, Mrs. H, a cozinheira e governanta, e Annie, a filha de Mrs. H, que apesar da amizade imediata que estabelece com Sabine revela alguns comportamentos estranhos. E através de fotos antigas da sua família, aos poucos Sabine vai se aproximando dos avós. Quando a saúde do avô agrava-se, Kate regressa a casa dos pais onde redescobre o ressentimento destes, bem como a surpresa pela proximidade entre Sabine e os avós e os assuntos mal resolvidos como Thom. Mas só quando um segredo da família vem à luz é que as três mulheres conseguirão sarar os ressentimentos mútuos.

Mais uma vez, Jojo Moyes demonstra ter uma escrita extremamente eficaz e sólida, capaz de prender o leitor que fica ansioso para saber os mistérios que rodeiam as personagens. Contudo dá para ver que houve evolução entre este livro e "Viver Depois De Ti", onde a escrita é bem mais sólida e escorreita. Achei interessante a alternância da narrativa entre as duas épocas distantes e até à revelação do segredo, tive alguma dificuldade em reconhecer a Joy jovem dos anos 50 na Joy idosa, mas depois fez tudo sentido. Fica a confirmação de Jojo Moyes é mais uma autora favorita para mim e pretendo ler mais livros dela.